BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Assis(tindo)-te se perder



você foi embora sem ao menos perceber que dentro do colar que te dei existem galáxias 
não são tão grandes, mesmo eu as considerando gigantes, mas são minhas

você foi embora sem nem me dar o ultimo beijo falando o que realmente sentia por mim 
sem olhar nos meus olhos, e, mesmo que dissesse que me odiava eu já ia considerar
por olhar nos meus olhos - dizendo aquelas palavras que não consegue falar
e não me deixaria ventar

você foi embora sem pegar nas minhas mãos bem forte pra que eu tivesse ao menos a força de seguir
cantando ou chorando, pelo menos eu conseguiria partir

você foi embora sem me beijar a boca com a sua língua que deixei tocar min'alma 
e cheirar todo o aroma que meu corpo expelia em sua presença

foi embora porque achou melhor
mas tudo bem, porque ninguém consegue lidar com amores exacerbados como os que você mesmo criou
em mim (e em você)

você foi embora sem me chamar de novo, sem me precisar de novo, sem dizer se volta
mas tudo bem, porque acho que não quer voltar

foi embora e não me deixou respirar entre todas as palavras que eu disse e não consegui 
expressar

(meu cigarro tem aquele seu cheiro que você deixou ficar)

você foi embora parecendo se arrepender por me amar

queria eu que você enxergasse da melhor forma tudo que eu conseguiria te oferecer
o meu mundo, o seu mundo, a explosão criada que ainda insiste em doer
talvez uma xícara qualquer daquele meu chá de aguardente que você nunca quis experimentar
e min'alma, quando voltarás a tocar?
"tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"
tu te tornas eternamente memorável em minha memória e vida, ruídas

"eu rompi com o mundo, queimei meus navios então me diz: pra onde é que inda posso ir?"

você foi embora, mas em mim: transitas. 

segunda-feira, 20 de junho de 2016

A vida urge - em tempo, não ressurge.
Vivo e sigo - sem querer - e as vezes, 
Por temer,
Peco em preferir loucura
À realidade e sem saber da verdade:
Me mato, sim.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Neblina

Me calo em desespero (por inteiro) pra ver se seu som corre um pouco mais devagar em minhas veias.
Sou tão depressa que mal me percebo pisar em mim própria. 
Devaneios.
A ansiedade sai por entre meus póros antes mesmo que eu consiga respirar para enfim, chorar. Fede feito o inferno - como aqueles de estimação que inventamos pras mágoas nadarem em quintas de madrugada.
Eu até pensei em engolir a vida de uma vez, mas descobri que meu próprio sangue: é lento.

Sou tão depressa, mas te quero devagar.
(Sem ar - corações também servem para espancar).

domingo, 19 de outubro de 2014

Fragilidade



Bem aventuradas são as plantas com os seus ciclos viciosos de nascer, dar vida e morrer, rapidamente. Natureza rápida e cruel, porém fiel. Fria. 
Bem aventurados são os seres humanos, tão sortudos por terem a oportunidade de uma vida tão mais longa. Tão mais cheia de movimento, tanto que se movimentam até em morte. Mas já não sei se o nome disso é sorte; a beleza e a desordem andam acompanhadas. Tão cheias de brilho (mas ambas desamparadas). 

Haja vida longa ou haja morte rápida, só mudamos as palavras: ambas são as mesmas. Se completam. Se quebram.

Ambas as coisas se equivalem (e valem).

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Aguas Claras



Pequena ligação eterna de átomos invisíveis. 
Tocaste meu corpo com a força suficiente para atrai-lo até o seu.
"Sucumbo quando teus dedos mornos tocam-me a prantos"; Prantos salgados de meu corpo, que suam gotas cheia de desejo.
"Então meus ossos explodem, rasgando minha pele, (ainda que) gélida e desabitada."
Pequena ligação eterna de átomos invisíveis. Disse-me coisas com seu sorriso. Me revelastes contente que de ti, preciso. 
Te revelo agora que somos átomos ligados por acordes e batidas, cantos e ritmos, línguas e beijos.
Harmônia é a palavra; A palavra que resume esse desejo.
Corre em nossos corpos a música que nos liga até o fim. Digas que me queres. Digas, porque ficarei aqui.

Pois tu és a música eterna em mim.

domingo, 13 de abril de 2014

Frenéticos (em câmera lenta)

Feriado prolongado de seus beijos.
Anos afastada de sua alma.
Te encontro e isso tudo se despedaça.
Latente e cinético.
Longitude e latitude.
Equilíbrios do seus olhos: Definição direta de mim. Sua vida pingando aos poucos na minha. Me afogo em uma gota e encontro o universo seu.
A vida.
Despojo.
Abra kdabra: sou você em mim.
Tão cheia de ti e de vida.
Minha vida.